Pagina Principal Artigos

lancamento MAPA Covid

O Governo do Espírito Santo instituiu, nesta segunda-feira (20), o mapeamento de risco para o estabelecimento de medidas qualificadas no enfrentamento da emergência de saúde pública decorrente do novo Coronavírus (Covid-19). Foram publicados em edição extra do Diário Oficial do Estado o Decreto nº 4636-R e a Portaria da Secretaria da Saúde (Sesa) nº 068-R.

Para o mapeamento foram estabelecidos critérios epidemiológicos orientados pelos estudos realizados pela Sesa, Corpo de Bombeiros Militar, Defesa Civil Estadual, Instituto Jones dos Santos Neves (IJSN) e da Universidade Federal do Espírito Santo (Ufes), conciliados com as  orientações do Ministério da Saúde, tais como: risco baixo; risco moderado; risco alto; e risco extremo.

Foram elaboradas orientações que englobam medidas sociais, medidas para estabelecimentos comerciais, para o transporte público coletivo e para os limites municipais. Os critérios poderão sofrer atualizações e ajustes ao longo da epidemia. O enquadramento dos municípios nos níveis de risco será feito semanalmente por ato do secretário de Estado da Saúde. Além disso, o Estado levará em consideração a utilização da rede de saúde.

“Se o município tiver poucos casos, mas a rede de saúde que atende a sua região estiver com 90% de uso, esse município passará ao nível de risco alto. Caso a rede de saúde estadual esteja com 90%, todos os municípios da região passarão ao nível de risco extremo”, explicou o secretário de Estado da Saúde, Nésio Fernandes.

Para ter acesso à classificação dos municípios no mapa de risco, assim como as medidas, acesse o site especial sobre o Coronavírus (http://coronavirus.es.gov.br) ou leia a íntegra da legislação em: http://coronavirus.es.gov.br/legislacao.

 

Informações à imprensa:
Assessoria de Comunicação da Sesa
Syria Luppi / Kárita Iana / Paula Lima / Luciana Almeida / Thaísa Côrtes
asscom@saude.es.gov.br

Governador Helio Filho Secom

O Governo do Espírito Santo vai adotar um Mapa de Gestão de Risco para estabelecer medidas qualificadas em cada município no combate ao novo Coronavírus (Covid-19). A novidade foi apresentada neste sábado (18) pelo governador Renato Casagrande, após uma nova reunião de Sala de Situação em Emergência Pública, realizada no Palácio Anchieta, em Vitória. Levando em consideração o número de casos registrados, os municípios capixabas serão divididos em três grupos de risco (Baixo, Moderado e Alto). Cada grupo deverá adotar um protocolo específico a partir desta segunda-feira (20).

Esse novo critério adotado para a tomada de decisões para restrição de mobilidade e manutenção do isolamento social atende ao objetivo do Governo do Estado de achatamento da curva epidêmica da doença. Para evitar que o sistema de saúde fique sobrecarregado, cada município deverá seguir as orientações previstas no Mapa de Gestão de Risco, que foi desenvolvido pelo Centro de Comando e Controle (CCC) da Covid-19 com base nos dados dos boletins epidemiológicos do Ministério da Saúde e da Secretaria da Saúde (Sesa).

Seguindo a metodologia do Boletim Epidemiológico do Ministério da Saúde, os municípios que estiverem abaixo da média de casos do Estado, estarão no Risco Baixo (Verde); os que estiverem até 50% acima da média do Estado estarão no Risco Moderado (Amarelo) e os que estiverem acima dos 50% da média do Espírito Santo estarão no Risco Alto (Vermelho). Em todos os casos será levando em conta o Coeficiente de Incidência Acumulado de casos da Covid-19, calculado pela média de casos a cada 100 mil habitantes.

Com os dados coletados até esta sexta-feira (17), o Espírito Santo tinha 23 casos confirmados a cada 100 mil habitantes. Ou seja, todos os municípios que estiverem abaixo desse coeficiente estarão no Risco Baixo; os que estiverem entre 23 e 34,9/100 (até 50% acima) estarão no Risco Moderado e todos que tiverem acima dos 35 casos a cada 100 mil habitantes (acima dos 50%) estarão no Risco Alto.

Atualmente, seis municípios capixabas já se encontram na situação de Risco Alto. São eles: Alfredo Chaves, Vitória, Vila Velha, Serra, Cariacica e Viana – sendo que estes dois últimos têm coeficientes do grupo amarelo, mas foram incluídos no grupo vermelho por fazerem parte da Região Metropolitana e da dificuldade de se fazer o controle da interação social de seus moradores com dos demais municípios vizinhos.

Outros nove municípios que se limitamcom o grupo vermelho foram incluídos automaticamente em Risco Moderado. São eles: Anchieta, Domingos Martins, Fundão, Guarapari, Iconha, Marechal Floriano, Rio Novo do Sul, Santa Leopoldina e Vargem Alta. Os 63 municípios capixabas restantes foram classificados no grupo verde, ou seja, de Risco Baixo.

O governador anunciou que, em decorrência da Grande Vitória ter municípios em Risco Alto, serão instaladas barreiras sanitárias nos limitesdos municípios, a exemplo dos postos de controle instalados nas divisas estaduais. Casagrande ressalvou que o Mapa de Gestão de Risco também estabelece que o Estado possa entrar em Risco Extremo (cor roxa), caso ocorra um aumento significativo do número de casos. Neste caso, está prevista a necessidade de realização um Pacto Social, que será um alinhamento realizado entre Governo do Estado, municípios, empresários e a sociedade civil.

CONFIRA AS MEDIDAS A SEREM IMPLEMENTADAS PELO ESTADO E PELOS MUNICÍPIOS, DE ACORDO COM A CLASSIFICAÇÃO DE RISCO:

RISCO BAIXO (VERDE)

Medidas Sociais:

- Orientação/conscientização para isolamento social e distanciamento social (Disk Aglomeração);
- Orientação/conscientização para adoção de medidas de proteção (máscaras e higiene);
- Abordagem às pessoas para orientação;
- Comunicação social, por meio de rádio, carros de som e outros;
- Monitoramento de casos suspeitos e infectados;
- Instalação do Sistema de Comando de Operações e elaboração de plano de contingência;
- Municípios acima de 50 mil habitantes deverão instalar um centro de comando geral e um centro de comando em saúde;
- Recomendação para que as pessoas dos grupos de risco permaneçam em isolamento total.

Medidas Comerciais:
- Funcionamento de todos os estabelecimentos com medidas qualificadas: um cliente por dez metros quadrados, obrigatoriedade do uso de máscaras para funcionários e observação do distanciamento social em filas;
- Funcionamento entre 10h e 17h nos municípios com menos de 70 mil habitantes;
- Escalonamento de horários de funcionamento por, no mínimo, dois turnos em municípios acima de 70 mil habitantes, com organização a critério do Município;
- Galerias e centros comerciais devem funcionar com 50% da ocupação (uma pessoa por 14 metros quadrados).

Limites Municipais:
- Orientação para controle de entrada no município com barreiras sanitárias, por meio da autoridade municipal;
- Barreira sanitária nas rodoviárias.

 

RISCO MODERADO (AMARELO)

Medidas Sociais:

- Adoção de todas as medidas previstas para municípios do grupo de Risco Leve;
- Recomendação do isolamento social com intervenção local da autoridade pública;
- Recomendação das medidas de proteção (uso de máscara e ampliação das medidas de higiene);
- Abordagem às pessoas para recomendação;
- Monitoramento casos confirmados e suspeitos;

Medidas Comerciais:
- Funcionamento de todos os estabelecimentos com medidas qualificadas com obrigatoriedade do uso de máscaras para funcionários e clientes;
- Escalonamento de horários de funcionamento por, no mínimo, dois turnos em municípios acima de 70 mil habitantes, com organização a critério do Município;
- Lojas em galerias e centros comerciais devem funcionar em apenas um dos dois turnos previstos.

Limites Municipais:
- Orientação para controle de entrada no município com barreiras sanitárias, por meio de autoridade municipal;
- Barreira sanitária nas rodoviárias.

 

RISCO ALTO (VERMELHA)

Medidas Sociais:
- Adoção de todas as medidas previstas para municípios dos grupos de Risco Leve e Moderado;
- Determinação de isolamento social com intervenção local e aplicação de sanção;
- Determinação às pessoas para uso de máscaras;
- Monitoramento casos suspeitos e infectados.

Medidas Comerciais:
- Funcionamento dos estabelecimentos considerados essenciais e de estabelecimentos autorizados por regras dispostas em decretos com medidas qualificadas, definidas em protocolos específicos;
- Aplicação de multa.

Limites Municipais:
- Barreiras sanitárias nos limites dos municípios com controle rigoroso, por meio de autoridades municipal e estadual com o apoio das Forças Armadas;
- Barreira sanitária nas rodoviárias.



Informações à Imprensa:
Assessoria de Comunicação do Governo
Giovani Pagotto
giovani.pagotto@es.gov.br 

Foto: Hélio Filho/Secom

 

 

transparencia Covid

O Espírito Santo está entre os estados mais transparentes nos dados sobre a pandemia do novo Coronavírus (Covid-19). É o que mostra o Índice de Transparência da Covid-19, elaborado pela ONG Open Knowledge Brasil (OKBR) e divulgado nessa quinta-feira (16).  A OKBR, também conhecida como Rede pelo Conhecimento Livre, é uma organização da sociedade civil sem fins lucrativos que atua na implementação e na defesa da transparência dos dados públicos.

No ranking elaborado pela instituição (CLIQUE AQUI E ACESSE O RANKING COMPLETO), o Espírito Santo foi classificado entre os três estados com nível alto de transparência, ao lado do Ceará e de Pernambuco, obtendo a pontuação 93 em uma escala de zero a 100.  A nota mostrou a rápida evolução da transparência dos dados no Estado, que inicialmente havia sido enquadrado na categoria opaca, na avaliação realizada no dia 9 de abril. Em apenas uma semana, o Espírito Santo passou a ocupar o topo da escala.

Em seu boletim sobre a situação de cada Estado, a Open Knowledge Brasil (OKBR) destacou o avanço do Estado: “O Estado fez um painel de visualização, mas a principal melhoria se refere aos microdados publicados, que passam a ser os mais detalhados disponíveis no país. O Estado apresenta informações inclusive de raça/cor e escolaridade, quando disponíveis, além de diversas outras variáveis, como tipo de teste aplicado, comorbidades e sintomas”, diz a nota da ONG.

O secretário de Estado de Controle e Transparência, Edmar Camata, observa que a disponibilização da ferramenta de dados interativos Painel Covid-19, que traz informações em tempo real sobre a doença no Estado, foi fundamental para que isso ocorresse. “Passamos a ser referência no País em transparência dos dados do Covid-19. Informação acessível e transparente pode salvar vidas e ajudar a população a se conscientizar sobre a pandemia”, ressalta Edmar Camata.

O secretário de Estado explica que o painel criado atende tanto ao público leigo quanto à imprensa, pesquisadores e profissionais da saúde. “Além disso, é um painel gerencial, fundamental para as decisões de governo. A plataforma consegue transformar dados em informação útil em diversos níveis de conhecimento, por apresentar alta maturidade em dados abertos”, diz.

O Painel Covid-19 foi desenvolvido em parceria com o Instituto de Tecnologia da Informação e Comunicação do Espírito Santo (Prodest), a Secretaria de Controle e Transparência (Secont), a Superintendência Estadual de Comunicação Social (Secom) e o Instituto Jones dos Santos Neves (IJSN).

CLIQUE AQUI E ACESSE O PAINEL COVID-19

Ao colaborar com o projeto, a Secont atuou no mapeamento e definição da lista de dados a serem divulgados no Painel, que teve como base os critérios defendidos pela ONG Open Knowledge Brasil (OKBR).  No painel é possível acompanhar o número de notificações, de casos confirmados, em investigação, pacientes curados, óbitos e testados pelo exame “RT-PCR” em tempo real. Também é possível checar a situação por municípios, por bairros e por região de saúde, faixa etária, sexo e comorbidades. Os dados podem ser filtrados e organizados por categoria e também estão disponíveis para download em formato aberto.

Metodologia

O Índice de Transparência da Covid-19 da OKBR avalia a qualidade dos dados e informações relativos à pandemia, publicados pela União e pelos estados em seus portais oficiais. A análise é composta de três dimensões: conteúdo, granularidade e formato. Cada dimensão é constituída por um conjunto de aspectos avaliados separadamente, aos quais são atribuídos diferentes pesos para a elaboração da nota de zero a 100.

No item conteúdo a avaliação leva em conta a diversidade de informações disponibilizadas, como o perfil detalhado dos pacientes (gênero, idade, doenças pré-existentes). Já em granularidade é analisado o detalhamento geográfico das informações, os microdados da situação por municípios e bairros. E a categoria formato leva em conta a facilidade de visualização do conteúdo, a apresentação de séries históricas e a disponibilização do formato dados abertos.

 

Informações à Imprensa:
Assessoria de Comunicação da Secont
Cintia Bento Alves
(27) 3636-5354 | (27) 98895-1695
cintia.alves@secont.es.gov.br

Assessoria de Comunicação da Sesa
Syria Luppi / Kárita Iana / Paula Lima / Luciana Almeida / Thaísa Côrtes
asscom@saude.es.gov.br

ImportacoesApós três meses de queda, as importações capixabas apresentaram crescimento de +18,11% entre fevereiro e março de 2020.

ExportacoesApós registrar quedas nos dois primeiros meses de 2020, as exportações capixabas de março se recuperaram em +48,90%, voltando ao patamar de dezembro de 2019.