Pagina Principal Artigos Atlas da Mata Atlântica reúne dados de cobertura florestal do Espírito Santo

Atlas da Mata Atlântica reúne dados de cobertura florestal do Espírito Santo

Atlas DestaqueO Atlas da Mata Atlântica do Espírito Santo reúne dados oficiais da cobertura vegetal nativa e uso da terra de todo o Estado. Ele estabelece com grau elevado de precisão tudo que ocupa o espaço geográfico de todo o Espírito Santo, seja atividade antrópica ou de cobertura natural. São 25 classes mapeadas de usos do solo em dois períodos: 2007 a 2008 e 2012 a 2015. O Atlas é uma organização da Secretaria de Estado de Meio Ambiente e Recursos Hídricos (Seama) e Instituto Jones dos Santos Neves (IJSN).

A criação do Atlas é um serviço inédito no Brasil e uma revolução na estatística socioeconômica do meio rural capixaba, onde é possível encontrar dados dos 78 municípios capixabas. A cada 0,5 hectares de floresta nativa, pasto, macega, café, dentre outras formas de usos do solo foram mapeadas nas duas séries temporais avaliadas. Além disso, a publicação irá contribuir com a agenda de restauração florestal do Estado, por meio de uma definição de linha de base e com o mapeamento da cobertura florestal, que serão importantes para acompanhar a evolução de floresta nativa do Espírito Santo.

O Atlas é um dos frutos do Programa Reflorestar, e tem como objetivo apresentar parte dos produtos gerados pelo programa, com destaque para o Mapeamento da Cobertura Vegetal Nativa e do Uso das Terras do Estado, estabelecendo, uma linha de base para a realização do monitoramento dos remanescentes florestais do Espírito Santo.

Para o secretário de Estado de Meio Ambiente, Aladim Cerqueira, o programa Reflorestar é essencial para o fomento da cultura de recuperação florestal no Espírito Santo.  “Com o Reflorestar conseguimos construir uma política sólida de Pagamento por Serviços Ambientais (PSA), e ainda estamos conseguindo financiar projetos e pesquisas que visam tornar contínuo o monitoramento da Mata Atlântica e o fortalecimento dos acervos de informações sobre o assunto, como a atualização da lista de espécies ameaçadas de extinção no Estado. Com esse monitoramento, está sendo possível tornar toda a base de dados acessível na web para o mundo, o que também fortalece o Instituto Nacional da Mata Atlântica. Um esforço conjunto que já é possível enxergar resultados”, completou o secretário Aladim.

Gabriela Lacerda, diretora presidente do Instituto Jones dos Santos Neves ressalta a importância do Reflorestar. “Os dados apresentados no Atlas, indicam que o programa Reflorestar, ao estimular a adoção de práticas de uso sustentável dos solos, tem relevante papel no crescimento da cobertura florestal. No entanto, como foi possível identificar que mais da metade das áreas de floresta é constituída por pequenos fragmentos, uma possível evolução do programa Reflorestar pode incluir a intensificação de ações que promovam a ampliação da extensão de florestas contínuas”, afirmou Gabriela.

 

Para acessar o documento, clique aqui.

Capa Atlas site