Pagina Principal Artigos IJSN traça perfil da pobreza no Espírito Santo das famílias inscritas no CadÚnico

IJSN traça perfil da pobreza no Espírito Santo das famílias inscritas no CadÚnico

Perfildapobreza2016No Espírito Santo, em 2015, a taxa de pobreza das pessoas inscritas no Cadastro Único para Programas Sociais do Governo Federal (CadÚnico) foi de 66,5% e a de extrema pobreza foi de 39,0%. E os municípios que apresentaram as dez maiores taxas de pobreza foram: Água Doce do Norte (84,3%), Irupi (83,9%), Ibitirama (83,0%), Muqui (81,3%), Pedro Canário (80,8%), Brejetuba (80,5%), Mantenópolis (79,1%), Guaçuí (78,8%), Sooretama (77,3%), Alto Rio Novo (76,5%). Esses resultados são apresentados no “Perfil da Pobreza no Espírito Santo: famílias inscritas no CadÚnico”, elaborado pelo Instituto Jones dos Santos Neves (IJSN).

O estudo destaca aspectos relevantes das famílias nesta situação como os relacionados aos domicílios, educação e mercado de trabalho, além de indicadores como o Índice de Desenvolvimento da Família - IDF e o Índice de Gestão Descentralizada Municipal – IGD-M, importantes ferramentas para aferir o desenvolvimento da família e a qualidade da gestão do CadÚnico.

Alguns números importantes:

Domicílio: 20,7% das famílias cadastradas vivem em área rural, enquanto 79,3% delas vivem em área urbana; 99,2% das famílias vivem em domicílio particular permanente.

Educação: a taxa de analfabetismo das pessoas de 15 anos ou mais inscritas no Cadastro Único é de 8,9%. A parcela dessa população com o ensino médio completo é de 20,1%.

Mercado de trabalho: 26,6% das pessoas que possuíam 14 anos ou mais de idade estavam ocupadas; 29,2% dos jovens que possuíam entre 15 e 29 anos de idade estavam ocupados. O rendimento médio de todos os trabalhos no Estado foi de R$569,65.

Coleta de lixo e esgotamento sanitário: 14,4% das famílias no CadÚnico não possuem acesso a serviço de coleta de lixo e 24,7% não possuem esgotamento sanitário adequado.

Iluminação: o acesso à iluminação com energia elétrica apresenta resultados positivos, entretanto, o acesso a esse serviço não é feito de forma individualizada (um relógio por família) para uma parcela significativa das famílias (14,4%).

Água canalizada: 96,3% das famílias vivem em domicílios com água canalizada, porém, em algumas Microrregiões o percentual de famílias que ainda não possuem água canalizada é alto: Nordeste (7,6%), Noroeste (6,4%), Central Sul (4,9%), Central Serrana (4,5%) e Caparaó (4,4%). As Microrregiões Sudoeste Serrana e Metropolitana aparecem com os maiores percentuais de atendimento (98,1% e 98,2% respectivamente).

O Espírito Santo possui 363.890 mil famílias cadastradas no CadÚnico.

O documento completo está disponível aqui.